Postagens

O sistema imunológico de um país são suas instituições, por Roberto Esposito

Tradução de trechos do apêndice a "É isto um homem?" de Primo Levi, por Helena Bressan Carminati

Nella città di Rossellini, por Mariarosaria Fabris

Nova semiótica pós-Covid para humanos e outras criaturas melhores, di Elvira Seminara

Giuseppe Artale, uma poesia em ponta de lâmina, por Andrea Santurbano

La lumaca, l’andamento a spirale e la sfida al labirinto: una lettura di Vincenzo Consolo, di George Popescu

Poesia e indústria: interseções a partir dos anos sessenta, por Elena Santi

Gesto de amor, não como ato subversivo - Entrevista com Fabio Franzin, por P. Peterle e E. Santi

Il cimitero cinese e l’amicizia tra i popoli: in tempi di pandemia, di Fabio Pierangeli

“Crucifixo de calamita”: um poema barroco, por Lucia Wataghin

“Tudo é agora um grito só”: Franco Fortini em Watoriki, por Tatiara Pinto

A quarentena, um hipertexto que derruba as paredes de casa, por Elvira Seminara

O colapso do passado e a incerteza do futuro: a figura do guerreiro Eneias em Giorgio Caproni, por Fabiana Assini

Notas sobre a paixão da leitura em Michele Mari, por Victor Rafael Gonçalves Bento

Arcádia, a insustentável leveza do verso, por Andrea Santurbano